19 de dez de 2014

Tudo bem







          Se eu pudesse encontrar comigo mesma, três anos atrás, diria que estava tudo bem. Tudo bem se colocar os fones de ouvido no volume máximo para calar a voz interna. Tudo bem chorar baixinho a noite. Tudo bem em se sentir só mesmo lugares lotados.

Eu diria para ela que ela é linda. Mesmo que as garotas mais bonitas da escola neguem. Mesmo que a balança e o espelho a rejeitem. Eu diria para ela usar menos maquiagem e parar de usar esse sorriso falso só porque dizem que ele é mais bonito.

Diria também que não há nada de errado se ela preferir ficar em casa assistindo filmes e comendo brigadeiro ao invés de ir à festas. Que ela é jovem, e há tempo para tudo. Tudo bem também se ela usar óculos ao invés de lentes, e assumir seu lado nerd. Tudo bem se ela gostar de matemática e história, não há nada errado em ser diferente.

Diria para ela não se preocupar tanto com o que dizem, para não dar ouvidos a fofocas. Que maldade a gente arranca pela raiz. Diria para ela que não há nada de errado em preocupar-se com o outro e que, diferentemente do que seus colegas pensam, fome na África é mais importante que um celular novo. Também diria que não é esquisito ela preferir os museus espanhóis as atrações da Disney.

Falaria para preocupar-se menos com garotos e que eles são os burros de só a verem como amiga. Um dia, ela irá conhecer alguém que a faça esquecer todos os outros, e que talvez isso aconteça mais de uma vez, mas antes disso, ela ainda vai quebrar muito a cara, as regras e o coração.

Mas também falaria de seus defeitos. Que sua timidez pode até sem bonitinha, mas pode impedi-la de realizar alguns sonhos, que teimosia não leva a lugar nenhum e a impulsividade a fará cometer loucuras.

Garota, para de guardar suas mágoas para si, é auto destrutivo. Eu conheço esses segredos que você guarda a sete chaves, eu sei que eles machucam, mas guardá-los só faz a dor piorar. Quem realmente importa não irá te julgar por revelar os fantasmas do passado.

Eu diria para ela concentrar-se ser feliz. Rir mais, dançar mais, perder a vergonha de cantar em publico. Diria para ela ser mais ela mesma e menos a pessoa que seus pais esperam que ela seja, ou ela irá perder-se. Que em um futuro próximo, ela irá olhar para o passado, para a pessoa que ela é hoje, e que eu espero que ela não se arrependa de nada. Nos veremos em breve.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Apesar de Você- Julia Calvacante - 2013. Todos os direitos reservados.
Criado por: Tamires PereiraSakurart.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo